Uma Vida Liberal – Visitando a Casa de Swing – Parte 2

Olá, queridos!

Hora de continuar contando sobre nossas experiências na casa de swing!

Para quem não leu os contos anteriores: Meu nome é Camila. Tenho 24 anos, 164cm de altura, 64kg, cabelos pretos, longos e lisos, pele branquinha, seios de médio para grandes, bumbum idem, olhos escuros. Sou casada há 2 anos com o Thiago, meu namorado desde a época de escola, e sou uma esposa liberada (um dia pretendo contar como chegamos até aqui rs).

Como eu disse no conto anterior, nossa primeira visita na casa de swing foi apenas para conhecer, e as coisas ficaram boas na ida de volta pra casa rs. Após aquele dia, combinamos que na próxima terça iríamos novamente.

Chegando a terça-feira, eu já estava ansiosa. Pela manhã fui me depilar (gosto de estar sempre lisinha), comprei uma saia branca mais folgadinha, uma blusinha preta bem decotada. Novamente sem calcinha, e sem soutien. Passei uma maquiagem um pouco mais marcante, com um batom que não sai de jeito nenhum, e completei com um salto alto, scarpin, que eu sou apaixonada.

Chegamos na boate, novamente fomos conduzidos pelas lindas recepcionistas, que nos cumprimentaram com um selinho. Nos sentamos na mesa, e logo o local começou a encher. Ice, vodka, whisky, música, luzes, clima perfeito para uma noite inesquecível.

Um homem, moreno, não tão bonito, me convidou para dançar. Olhei para meu marido em busca de aprovação, e ele acenou com a cabeça. Tocava um funk que eu gosto de dançar, e me soltei totalmente na pista. Rebolava, descia até o chão, e o tempo todo sentia aquele homem me encoxando e suas mãos tocando minha cintura querendo ir até meu bumbum. Umas 2 músicas depois eu voltei para a mesa, e continuei conversando e rindo com o Thiago.

Pouco depois anunciaram que haveria um show com uma das recepcionistas no pole dance. Ela surgiu vestindo uma fantasia de enfermeira, muito sexy, subiu no palco ao som de uma música que não conheço, mas bem sensual, de strip mesmo. Nossa mesa estava afastada do palco, mas eu tinha uma ótima vista do corpo incrível daquela mulher. Meu marido, abraçado atrás de mim, estava claramente excitado. Seu pau encaixava deliciosamente na minha bunda, e sua mão passeava por todo meu corpo. Ninguém piscava enquanto aquela mulher deslumbrante tirava toda a roupa, esfregando-se na plateia, deixando homens e mulheres loucos de vontade.

Quando terminou o show, começou a tocar música sertaneja. Logo eu notei um homem alto, forte, muito bonito, próximo de nós. Meu marido comentou que ele não tirava os olhos de mim, e eu fiz questão de ficar de pé, de costas pra ele, me apoiar nas pernas do Thiago e empinar bastante, dando a ele uma visão total da minha bucetinha depilada, pois a saia é curta.

Ele chegava cada vez mais perto, mas eu via em seus olhos que estava nervoso. Sentei no colo do Thi, de frente para todo o movimento, enquanto ele subia as mãos pelas minhas pernas até minha bucetinha, já absolutamente molhada, e começava a me masturbar. Eu sentia os olhos daquele homem gostoso em mim, além de outros casais que pararam para assistir nosso show. Mesmo adorando ser exibida, fiquei um pouco tímida e tirei a mão do meu marido. Levantei e convidei aquele homem enorme para dançar.

Não sei se por nervosismo ou por qualquer outro motivo, mas nossa dança não encaixou rs não acertamos o ritmo nem nada. Mas ele claramente não estava focado na música. O tempo todo ele passava a mão em mim, na minha bunda, nos meus peitos. Eu tocava o peito dele, os braços, e desci até o pau que já estava duro pressionando a roupa. Quando acabaram as músicas, fiquei de costas pra ele, me curvei sobre meu marido e o beijei. O homem sentiu que a oportunidade valia, e começou a me encoxar, apertando minha cintura. Eu gemia gostoso sentindo aquele pau duro apertando contra meu corpo, ao mesmo tempo que acariciava o pau do meu marido sobre a roupa. Eu não estava mais aguentando de vontade, falei no ouvido do Thi que queria subir para o andar de cima. Levantamos e seguimos para as escadas, mas o cara não foi junto. Fiquei um pouco decepcionada, achei que ele ia me seguir, mas logo foquei nas outras pessoas ali presentes.

Logo no fim da escada vi uma cabine de “glory hole” vazia. Fui direto lá pra dentro, junto com meu marido, me ajoelhei e tirei o pau dele da cueca. Estava duro, pulsando, do jeito que eu gosto. Não conseguia ver muita coisa, era realmente escuro, mas logo senti uma mão tocando meu cabelo e meu rosto, descendo e buscando meus seios. Meu marido me deu um tapa no rosto, segurou meu cabelo e começou a foder minha boquinha. Eu engasgava, tossia, mas estava adorando aquela sensação. Eu sabia que pelos buracos daquela cabine haveriam várias pessoas me assistindo, e isso me deixava ainda mais louca. De repente, vi sair de um dos buracos um pau. Limpinho, cheiroso, não muito grosso mas de um tamanho legal, logo comecei a chupar ele bem gostoso, enquanto masturbava meu marido. Pouco depois outro pau apareceu, e também comecei a chupar ele, masturbando os outros 2 que ali estavam. Pelo buraco maior da cabine, vi quando um homem colocou as pernas, ficando até a cintura ali. Também comecei a chupar ele, enquanto perdia as contas de quantas mãos me tocavam, apertavam meus seios e subiam minha saia.

O homem que estava quase dentro da cabine colocou um preservativo, e de imediato eu sentei em seu pau. Sentava rápido, enquanto ele segurava firme minha cintura. Ao mesmo tempo eu senti duas mãos mais macias tocando meus seios, e vi que eram de duas mulheres diferentes, uma de cada lado da cabine. Aquilo me arrepiou ainda mais, enquanto minhas mãos se ocupavam de outros 2 paus e meu marido fodia minha boca. Eu me senti uma puta, uma vadia sem vergonha, e isso me deu um tesão descomunal. Eu senti que iria gozar, e passei a sentar mais rápido, sentindo ele pulsar dentro de mim. Ele não aguentou e gozou, enchendo o preservativo, me deixando no quase. Levantei e fiquei de quatro para meu marido, que começou a me foder enquanto eu chupava um outro pau e tocava os seios de uma das mulheres que estava ali fora, provavelmente dando para alguém pelos seus gemidos e movimentos. Com meu marido ali, apertando meu pescoço e me fodendo, logo gozei bem gostoso.

Quando percebi, tinha outro cara com metade do corpo dentro da cabine, já com a caminha colocada e o pau vibrando e apontando para o teto. Sentei gostoso nele, cavalgando de frente, enquanto meu marido pincelava meu cuzinho. Ele não aguentou muito, e logo senti ele me segurando firme e gozando fartamente na minha bucetinha (ou melhor, na camisinha). Quando ele saiu, surgiu de um buraco ao lado uma mão feminina, buscando minha bucetinha. Cheguei mais próxima, e senti quando aqueles dedos atingiram meu clitóris e passou a me masturbar com uma capacidade que só as mulheres tem.

Ao meu lado, meu marido se masturbava e me forçava a chupá-lo. Outras mãos me tocavam, enquanto eu masturbava outros 2 homens. Aqueles dedos sabiam o que faziam, pois logo eu senti uma vibração subindo pelo meu corpo e comecei a gozar. Disse ao meu marido que queria ir para a sala maior, clara, com os outros casais. Ele subiu as calças, eu ajeitei minha saia e seguimos em direção à sala maior.

Lá encontrei aquele homem alto e gostoso que dançou comigo. Ele se masturbava assistindo outros casais transando. Mandei meu marido sentar no sofá, me ajoelhei e comecei a chupar ele. Logo haviam outros homens em volta de nós, se masturbando. Eu me levantei, sentei no pau do Thiago e comecei a alternar entre chupar e masturbar aqueles homens. Logo eram uns 5 ali, e eu tentando dar conta de todos enquanto sentava forte no pau do meu corninho. Ao nosso lado sentou-se um casal, na mesma posição que estávamos, e reconheci aquele esmalte e aquelas pulseiras como sendo da mulher que havia acabado de me fazer gozar. Isso mexeu comigo, e comecei a sentar mais rápido, até sentir que a mão dela começou a me procurar, apertando meus seios enquanto o marido olhava atentamente.

Eu não tinha mais controle sobre meu corpo. Sentia começo de cãibras nas pernas e instintivamente busquei as pernas daquela mulher ao meu lado. Olhando bem para ela, não era exatamente linda, mas naquele momento beleza não importava. O tesão que ela me proporcionou precisava ser retribuído, e comecei a masturba-la enquanto sentia o pau de seu marido entrando nela e esfregando em minha mão. Quando gozei, sentindo meu corpo todo tremer, senti meus dedos molharem e percebi que ela também tinha gozado.

Meu marido, então, anunciou que iria gozar. Fiquei de joelhos e vi que outros homens também me olhavam implorando com os olhos para gozar. Falei para todos que queria muito leitinho. Não demorou 5 segundos e um deles gozou fartamente nos meus seios. Outro gozou no meu rosto, um espirrou perto do meu braço, outro caiu direto nas minhas pernas, e mais um nos meus seios. O meu marido, naturalmente, mandei gozar na minha boca, e engoli tudinho, até a última gota. Limpei o pau de todos que estavam ali, e fiquei um tempinho sentada no sofá tentando entender e organizar na cabeça tudo que aconteceu, enquanto via a mulher de pouco tempo atrás dando o cuzinho pro marido e a bucetinha para outro estranho.

Poucos instantes depois, arrumei minha roupa e fui até o banheiro. Limpei o que pude daquele monte de leite, fui até meu marido e disse que estava pronta para ir. No caminho, decidimos parar em uma rua deserta e tranquila perto de casa, e transamos novamente, só nós dois, sobre o capô do carro. Ele gozou dentro do meu cuzinho, e depois fomos para casa, felizes e apaixonados. E eu tive a certeza de que aquilo era uma das melhores coisas que o sexo pode oferecerObrigada a todos que comentam e mandam emails. Como sempre, conto com os comentários para críticas e dicas rs.

Beijos :*

– Camila Colt

Instagram: @camila.colt

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *